SINDO MOSTEIRO: A veces las grandes rocas grises parecen ecos y ruinas
SINDO MOSTEIRO: Monte do Castro en Leiro e Besomaño (Ribadumia)
SINDO MOSTEIRO: Balboa e o pazo de Fefiñáns
SINDO MOSTEIRO: Balboa en Fefiñáns, s. XVII
SINDO MOSTEIRO: Balboa en Fefiñáns, s. XVII
SINDO MOSTEIRO: Procuran nos castelos efectos de lus
SINDO MOSTEIRO: ¡Ay, niñas, las de la Torre!
SINDO MOSTEIRO: E eis que o rio vem, a sombra e a torre
SINDO MOSTEIRO: Je vous salue, ruines solitaires
SINDO MOSTEIRO: Os duros e ben labrados sillares do castelo altivo son, nestora, longa peza do enlousado
SINDO MOSTEIRO: You sea!
SINDO MOSTEIRO: A viña dos Pombos e o arco da vella
SINDO MOSTEIRO: Seréis, si no cenizas, ruinas, polvo, y vuestra soñada eternidad será la nada
SINDO MOSTEIRO: Alta é a torre do castelo
SINDO MOSTEIRO: Saudade, — velha torre erguida nevoentamente na paisagem de outono
SINDO MOSTEIRO: Nunha noite inundada de infinito
SINDO MOSTEIRO: Aquí baixo o ceo inmenso do mar
SINDO MOSTEIRO: Sol puro, aura
SINDO MOSTEIRO: Eu bem vi nascer o Sol
SINDO MOSTEIRO: No entardecer dos dias de verão
SINDO MOSTEIRO: Tão longe de mim com as tuas ovelhas
SINDO MOSTEIRO: O gato é símbolo e guardião da vida intelectual
SINDO MOSTEIRO: O gato e as rosas
SINDO MOSTEIRO: O cantar do paporroibo
SINDO MOSTEIRO: Rabirrubio tizón (Phoenicurus ochruros)
SINDO MOSTEIRO: Un bocado suculento
SINDO MOSTEIRO: O paporroibo na feixoeira
SINDO MOSTEIRO: Quand'eu sobí nas torres sobre-lo mar
SINDO MOSTEIRO: A silueta do cuco
SINDO MOSTEIRO: Phalacrocorax carbo